Esta pandemia limita os nossos movimentos, com um cuidado especial para os mais vulneráveis, como os idosos e as pessoas com doenças crónicas. Se para qualquer cidadão sair de casa é um risco, esse risco é exponencialmente maior para estas pessoas. Prevê-se que o pico da crise seja só daqui a mais de um mês, o que impõe o maior isolamento possível para além desse período. Por isso, impõe-se sermos solidários.
Sugerimos a quem vive em condomínio e tenha conhecimento que no mesmo prédio vivem pessoas idosas ou doentes, que se disponibilizem para lhes comprar os produtos essenciais (alimentação, medicação, etc), de forma a evitar que se exponham ao perigo. Mais ainda do que disponibilizar-nos é necessário sensibilizá-las para os perigos que correm ao sair de casa e que não devem sentir-se diminuídas por terem o apoio dos seus vizinhos.
Os condomínios são espaços que possibilitam a criação de redes de solidariedade. É nos momentos difíceis, como este, que o ser humano é posto à prova, tornando evidente as suas capacidades e qualidades humanas. 

Sejamos solidários